sábado, 10 de dezembro de 2011

Dr. Fraude


Aquela pessoa inteligente, libertária, compreensiva, feliz e receptiva com todos, que performa o ápice do equilíbrio e do senso crítico. 

Aquele que prega a lógica da ingenuidade, porque a desconfiança desumaniza. 

Aquele que prega a liberdade, porque não devemos nos coadunar com a opressão mútua.

Aquele que prega...

E como bom pregador, “faça o que eu digo, não o que eu faço”. E nesse mundo de dois pesos e duas medidas, a liberdade se torna opressão; o senso crítico o mais puro machismo; o equilíbrio, violência; e a inteligência... será que um dia existiu?

Existiu. Não a inteligência prometida, a da sofisticação e iluminação pessoal, mas a inteligência chula da boa e velha capacidade de mentir e persuadir: a arte de usar os argumentos certos para convencer uma pessoa de algo que ela não faria se soubesse a verdade.

O que é a nossa velha conhecida “manipulação”. Aquela que está por trás de todos os grandes problemas da humanidade que, aliás, aquela pessoa critica tanto!  Manipulação clássica: a que rouba do outro o direito de escolha sobre a própria vida na medida em que esconde sentidos e acontecimentos que mudariam o rumo das coisas. Mais um clássico: a falta de ética!

Péssimo quando isso acontece, de toparmos pela vida com pessoas sem ética. Mas a vida taí, o mundo é de todo mundo e eu sei que não são todos que têm a capacidade de sustentarem, com vida, seus discursos. E a hipocrisia, clássico dos clássicos, reina por aqui.

John Lennon revira na tumba. Oswald de Andrade dá risada. Sartre não entende a perda de tempo. E Nietzsche esbraveja: mas você não entendeu nada meu filho!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Pré póstumo

Pelas borboletas azuis que sempre me receberam com festa nas visitas às cachoeiras.

Pelos amigos que souberam me deixar ser quem eu quisesse ser.

Pelos amores que souberam preencher meus espaços vazios, físicos e espirituais.

Pelas crianças que me reconheceram mãe, por minutos ou por uma vida toda.

Pela possibilidade de me sentir filha com toda plenitude de cuidado e segurança.

Pelo sentido da vida que vem junto com o cheiro das pessoas de quem eu gosto.

Sinto-me grata.

E sentir-se grata é a melhor forma de despedir-se.

domingo, 9 de outubro de 2011

Foi assim...


Ela veio discotecar.

A festa foi um arraso.

A gente se conheceu.

E foi amor a primeira vista!!

Mentira!! Foi uma parceria-aventura que topamos juntas, como uma brincadeira a ser levada a sério.

Só depois veio o amor.

Foi assim que conheci Paloma Parentoni e entrei nesse barquinho de psicodelia cor de rosa que é o Solteiras e Descoladas, um blog sobre o imaginário feminino, divertido e leve, mas que sabe pegar pesado.

Lá, respondo pelo nome de “mais solteira que descolada”.

Enchanted! E muuuito prazer!

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O amor é perecível

O que mais gosto no amor é quando ele se renova.
Não que os amores que não se renovaram não tenham sido importantes.
Mas os que se renovam me dão a possibilidade de ficar mais perto do maior sonho da humanidade: o eterno!

Que seja eterno enquanto dure.
E que dure à eternidade!

(Para Lu, com amor!)

domingo, 11 de setembro de 2011

Terror

Eu não vou provar do seu veneno imaturo, insensato e careta
Desde que mundo é mundo, a mentira é um prato cheio pra gente sem coragem
O ciúme é um ataque terrorista
E eu só quero querer em paz!

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Isso é uma cantada barata!

A melhor cantada que eu recebi na minha vida veio de uma amiga minha.
Na balada, a gente dançando, ela me pede um beijo. E diante da minha negativa, ela insiste, ao pé do meu ouvido: “Ah Gabi, mas eu vi, você pôs uma calcinha tão bonita...!”.
Ganhou.
O beijo e um post.

domingo, 4 de setembro de 2011

Domingo

Dia de pagode.
Aquela sensualidade arrastada, preguiçosa...
Domingo não é dia de grandes performances.
Domingo é folga das prostitutas: transa só se for no miudinho:
os dois deitados, assistindo a qualquer coisa na tv.
Malemolência.
De repente uma roçadinha sem querer na coxa do outro e já foi.
O difícil é decidir quem busca a água, depois do amor.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Patas de fogo

Hoje eu quero sair correndo, numa fuga desvairada de mim mesma.

Há dias em que eu entendo as grades nas janelas do prédios.

Dias em que vc tem que falar para vc mesma as decisões que tomou como um mantra... pra ver se elas fazem algum sentido.

E ainda bem que sou libertária e sei que está tudo bem em enlouquecer dia ou outro.

Pena que isso não faz passar a angústia dos dias ruins.

Acho muito triste os finais felizes dos filmes, que as pessoas tentam imprimir na vida.

O final é agora e a todo momento, porra!!

Yes, i´m having a bad day.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

À pessoa que me fez descobrir que paixão é coisa diferente de amor (porque eu sempre achei que era tudo a mesma coisa)

Você que me mostrou o que é sensação de completude plena quando falta tudo.
Que me fez entender o que é febre.
Você que foi uma obsessão correspondida.
A me preencher todos os vazios, exceto o mais importante.
E de maneira bruta, me obrigou a romper com a minha ideologia mais libertária.
Agora sou obrigada a me dizer como mais uma que concorda que o amor... o amor é outra coisa.
A você que foi o melhor dos tangos concretos.
Dedico o meu mais profundo e sincero:

FODA-SE!

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Uma declaração de amor...

às ameixas pretas,
suculentas, molhadas, deliciosas,
que não são ilegais, nem imorais, nem engordam.
(E também não engravidam!)

Tempo fechado com lua cheia...

Uma mulher com TPM
É uma macaca no cio
Entremeando momentos de surtos persecutórios,
depressão profunda
e crises extremas de ansiedade e euforia.
Cuidado! Nesses dias tudo faísca e pode machucar.
Se não a briga, o sexo.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Isso não é uma cantada barata.

A voz grave ao pé do ouvido. O olho tateando o corpo. À postura desinteressada, a respiração indiscreta entrega o jogo. Todos os caminhos levam a um colchão. A voz grave ao pé do ouvido. Penetração auricular. O tesão é grave.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A paixão segundo G.M.

Eu, em um hotel barato na região de Goiás.
Me levanto de manhã e como habitual, lavo os óculos. Foi quando, mesmo míope, avistei o movimento inimigo. Me apressei em enxugar as lentes para focalizá-la e executar o extermínio; ou a fuga.
Mas foi quando puxei o papel que o que eu mais temia nessa vida aconteceu: surpreendida pelo rolar do seu chão de papel, sua acompanhante subiu-pelo-meu-braço-com-aquelas-patinhas-de-cócegas-e-eu-num-pavor-extremo-mas-silencioso-a-arremessei-com-tanta-força-que-deixou-vergões-no-meu-braço.

Sentei na cama. Olhei para ela ali, já na porta do quarto tentando se recuperar. Éramos duas violentadas. Eu, ainda míope - os óculos arremessados no chão junto com a barata - respirava ofegante tentando entender o que tinha se passado. Era dia de concurso e eu não tinha tempo de comê-la. Nem de escrever um livro.
Foi então que entendi tudo. Me levantei, peguei os óculos no chão e saí aliviada: agora eu não tinha mais nada a temer!

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Dando satisfação a mim mesma...

Eu já fui filha da puta com as pessoas. Algumas vezes, aliás.
Não me orgulho disso. Mas me orgulho de, mesmo às custas de ser filha da puta, ter conseguido entrar em contato com sentimentos e vontades moralmente condenáveis. Tão condenáveis que eu mesma condenava e tinha medo de assumi-los, daí ter sido filha da puta.
O importante é que cada vez mais sou menos filha da puta porque cada vez mais sou menos moralista e menos covarde.
Coragem:
Tanto faz como se chama, entregue-se ao que você ama
.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Receita de bolo

Porque naquela hora, nada mais importa. Tudo se resolve. E viva a vida, viva o amor, viva o Brasil! A vontade é de agradecer ao responsável por aquela dádiva, não importa se Deus ou o Diabo ou o viagra. Não há mais machismo ou feminismo, conta pra rachar ou qualquer blábláblá! Basta a manifestação daquele fenômeno tão caro, tão maravilhoso que os homens nos proporcionam. A vontade é de gritar: obrigada por tudo isso! Desde que o tudo seja tudo mesmo e não uma coisinha assim meio meia coisa, né, nem lá nem cá. Tem que dar um medinho, aquela coisa forte, nada de meio termo. Aliás a palavra meio não combina com homem. O meio somos nós, as mulheres: o alvo! Eles devem ser a seta! (E falavam da ereção masculina como se fala de uma receita de bolo.)

sábado, 9 de julho de 2011

Cena 12: Quebrando o gelo

(Entrando no apartamento, ela na frente, ele logo atrás. Ela entra falando.)
_ Então, essa é minha casa!
_ Bonita!
_ Senta aí...
_ Sofá moderno, hein?!
(risos)
_ Estilo minimalista!
(Silêncio breve. Os dois esboçam constrangimento. Ele fala, então, insinuando espontaneidade.)
_ Legal esse disco!
_ É... o último do Otto.
_ Primeira vez que ouço...
_ Que legal que fui eu que te apresentei!
(Silêncio longo. Os dois constrangidos. Ele olhando pro chão, pra ela, pro disco, pra almofada. Ela olhando pra ele, pro chão, pro disco, acariciando a almofada. Ironizando o constrangimento, ela fala.)
_ Falei que seria bom a gente trazer umas latinhas...
_ É... é que não acreditei muito que você não tinha nada pra beber...
_ Nada!! Geladeira completamente vazia!!
_ E onde já se viu casa de moça sem o quê comer??
_ Não, querido, você não entendeu. É que em casa de moça a geladeira pode estar vazia. Mas o que não falta é o quê comer.
(Beijo romântico, seguido de cena de sexo.)

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Incursões pelo programa DST-Aids...

Acabo de chegar da realização de um exame para detecção de HIV. Sabe aquele programa “Fique sabendo” do governo federal? Pois é, estive lá... eu e minhas pesquisas não financiadas. Poderia fazer meu exame naquele laboratório chique, usando meu plano de saúde, como boa filha de classe média que sou. Mas quis ir lá pra ficar sabendo não só se tenho HIV, mas como é o atendimento do “Fique sabendo”, Uberaba.

Depois de duas visitas à instituição, pra acertar o tal horário de coleta, na terceira vez sou recebida por uma funcionária “bem-humoradíssima”, que me gesticulou algo com pressa, o que entendi significava: “senta ali e espera”. Então, me sentei ali na sala de espera de consulta. Sala velha, escura, com cara de suja. Fui me sentindo mal... Lugar pouco confortável, com aparência ruim, não inspira confiança. Vontade desistir... “se demorar muito, desisto”, pensei.

Mas, não. Foi rápido. Logo chamaram quem estava ali para fazer exame e mandaram subir. E lá em cima, alívio! A sala do “Fique sabendo” é toda branca, móveis novos, parece limpa e os funcionários são sorridentes. Bem mais confortável o programa “Fique sabendo” do que o “Dos que já sabem”. E aí, fiquei pensando que, quando vc recebe um resultado positivo no “Fique sabendo” vc tem duas notícias ruins ao mesmo tempo: de que está com o vírus e de que, de ali em diante, será atendido no andar de baixo, aquele escuro.

Aí, vou logo chegando e já faço uma ficha. Da ficha, vou direto pra tal coleta. Mas antes, uma rápida entrevista. “Só pra saber alguns dados, perguntamos isso pra todo mundo” a moça, muito simpática, me disse.

A primeira pergunta foi retórica: “Você faz sexo só com homens, né?”.
“Putz, acho que tenho cara de hetero”, pensei. Que pena! E a vontade de responder: “sim, por enquanto só com seres humanos, com animais acho anti-higiênico”. Esse foi o primeiro constrangimento. Que tipo de pergunta é essa? Interessa com quem eu faço sexo ou se uso ou não camisinha?

Vamos a próxima: “Você usa drogas?”
hahahahaha!!! Como a saúde pública é inocente né? E por acaso alguém vai responder que sim??! Mas tudo bem, essa foi boa pra descontrair.

Aí vem a terceira: “seu caso é camisinha ou rompimento de camisinha?”
Ou seja, a pergunta não tem a opção “não uso camisinha”. É mole? Um programa de DST que não abre espaço para a conversa, mais do que realista e necessária, sobre se as pessoas usam ou não camisinha. E toma como certo que todos usam camisinha e no máximo, a camisinha estourou. Eita, programa de sucesso, hein?!

O fato é que volto pra casa chocada com o moralismo da saúde pública. Quem foi que elaborou aquelas perguntas, o Papa? “Olha minha filha, se vc usa drogas, vá naquela capela, reze três ave marias, três pai nossos, depois volte para a colher o sangue. E não ouse responder não à minha pergunta retórica sobre seus parceiros sexuais”. (E o pior é que eu sei que o plural na pergunta retórica já foi um ganho!).

Pensar sobre Aids me mobiliza muito. Porque ela envolve três dos maiores tabus da nossa sociedade nada laica: sexo, droga e amor. Não sou afeita àquelas teorias da conspiração, mas me parece muito plausível que a Aids tenha sido inventada pelo Vaticano. Porque o seu poder de punição ao que é moralmente condenável é fortíssimo. Deus disse para não nos drogarmos e não fazermos sexo pelo sexo. E quem faz isso, corre sérios riscos. Ainda mais se seguir mais um mandamento do Papa, o de se opor à camisinha, que é contra o amor verdadeiro e a procriação. Porque o amor verdadeiro, aquele que nos completa e nos consome, não precisa de camisinha, não é mesmo?

Bom, agora é esperar 15 dias pelo resultado do exame. Até lá eu rezo para Deus me perdoar pela camisinha que rompeu e pelo sexo com animais.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Amoral

Das pessoas que se querem revolucionárias e acreditam numa neutralidade moral possível.

Tão moderno isso! Mas o revolucionário agora é o pós-moderno: o que assume a subjetividade e a incapacidade do homem de ser amoral. E coloca como tarefa árdua o exercício da sua moralidade sem ferir ninguém.

Já disse outro dia que admiro quem sabe ser livre sem estragar a noite de ninguém. É por aí... A liberdade deve ser justa. E a justiça é um ajuste entre duas ou mais pessoas. Um encontro. E se dois ou mais não se propõem a se encontrarem, a compartilharem, não há justiça possível.

E aí, na incapacidade de lidarem com a moralidade, propõem o amoral e se prendem a um combinado explícito, embarcam numa onda legalista, bem típica do movimento moderno: só existe o que podemos ver com nossos olhos que a terra há de comer. “Não te prometi nada, não te devo nada”. “Não temos nenhum compromisso, não te devo satisfação”. E o toque, o beijo, as horas, a vida? E o olhar? E o sentimento? Não, nada disso conta. O que conta é o explícito. Às vezes até assinado e reconhecido em cartório: agora sim te devo respeito. Caso contrário, nada significa nada. Uma vida vivida junto e nenhum reconhecimento de vínculo. Um jeito irresponsável de ser livre, sem ser justo.

“Nunca julguei ninguém para não me julgarem”. Pra começar há um julgamento aí: o de que julgar é coisa ruim. Não julgar pra não ser julgado é semelhante àquela história de "eu não vou na sua casa pra você não ir na minha”. A tentativa de ser amoral tem a ver com a vontade de não precisar. Se não precisar de ninguém você não tem que ser legal, não tem que pedir, não tem que estar presente, não tem que retribuir. A amoralidade vem então da indisposição de retribuir.

Mas ninguém está nesse mundo sozinho! Não carregamos um pecado original nessa vida, mas sim uma dívida original: uma dívida a alguém que te ajudou a existir, que te pariu. Então é impossível não precisar. Todo mundo precisa e usufrui, o tempo todo! O que dá pra fazer é fingir que não precisa ou fingir que não usufrui pra se negar a dar a sua parte na história. Neste caso você só vai precisar de... ser amoral.

O símbolo do precisar é a mãe. Aquela que idealmente, dá para o nenê tudo o que ele precisa, sem ele nem mesmo pedir... ela adivinha! Mas já já a mãe (real) falha em adivinhar e rompe com a completude do ser. Instaura-se o precisar. E cada um faz uma coisa com sua mãe interior. Tem gente que a nega, padecendo da falta de ajuda, porque não pode assumir que precisa pra não correr o risco de não ter o quê precisa. Outras matam a mãe interior, na tentativa de matar não só o quê precisam, mas o precisar. Se algo do que eu precisei alguma vez na vida me foi negado, não quero precisar de mais nada nesse mundo. Na vingança pela falta da mãe, mata-se a mãe.

No meu caso eu aprendi a pedir direitinho, porque minha mãe sempre me deu tudo, se não o quê eu precisava, o consolo por não ser possível. O problema é o padrão que isso coloca para as minhas relações. Eu quero demais das pessoas. Deposito sem vergonha meu precisar nelas. Falo. Explicito. Peço.

Mas as pessoas não são minha mãe.

A minha mãe sou eu mesma falando pra mim que se tudo não está bem agora, não demora, vai estar.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Traste

ding-dong!
Ela abre a porta:
_ Você?
Há vinte anos não o via. Quando terminaram, depois que ela descobriu o caso de três anos que ele tinha com a amiga, ela nunca mais o atendeu ao telefone. Trocou o números, mudou de cidade, sumiu. Ele até tentou enviar uns e-mails, dizendo que a amava, que tudo tinha sido um mal entendido. Mas depois de terminarem, ela descobriu que além do caso com a amiga, ele tinha mais quatro namoradas virtuais, que encontrava periodicamente. Um traste. Mas eis que, vinte anos depois, ele aparece. "Como descobriu meu endereço?" ela pensou. Mas não teve tempo de resposta. Ele a interrompeu:
_ Vim porque pensei muito nesses anos todos. Fui muito egoísta, hipócrita, irresponsável e não soube valorizar a mulher que tinha ao meu lado. A única mulher que verdadeiramente amei. Fabiana, você é a mulher da minha vida. Posso entrar para conversarmos melhor?
E ela não teve dúvidas: ele estava broxa!!

sábado, 4 de junho de 2011

"A vida não é filme, você não entendeu..."

O mundo está bipolar.

É o espetáculo da alegria ou o espetáculo da tristeza. Como se a vida fosse um melodrama barato.

Aí, no carnaval, você liga a TV e é só alegria. Tanta alegria que não dá pra respirar! Se você acordou meio preguiçoso, meio melancólico, você só pode ser louco!! Afinal, é carnaval e todo mundo TEM que estar muito, demais, explodindo de felicidade!!!

Mas daí uns dias, acontece um terremoto no Japão. E aí você liga a TV e perde a fome: todos os canais só noticiam isso! A mídia inteira, aliás, só falando disso. E aí parece que o mundo parou porque uma coisa ruim aconteceu. A vida vira uma tristeza só. Não há espaço pra uma felicidadezinha que seja. “Mas é meu aniversário!”. “Que azar o seu fazer aniversário numa data tããão triste!”.

Mas não ligue: já já a rede globo modela seu humor novamente, com algum evento mega-importante que vai encher sua vida de felicidade. Pode ser o show da virada. Ou as aventuras estonteantes do cãozinho Bethoven. O fato é que se sua vida estava muito triste, sem saída, por causa do terremoto no Japão, em breve ela muda de pólo e você ficará igualmente preso, mas na alegria.

Não há equilíbrio! É tudo ou nada, 8 ou 80: o que for novidade neste momento, será a única coisa importante do universo. Paul MacCartney veio ao Brasil em outubro. E a globo só falava nisso. Fez até cobertura ao vivo e tal, porque o cara não vinha ao país fazia muito tempo. Mas aí ele voltou em Maio. "Ai, de novo, Paul MacCartney? Que repetitivo!" E o coitadinho não mereceu nem uma chamadinha na globo.

Estranho né? Ou vamos idolatrar e quase morrer pelo Paul ou vamos agir na linha “who´s Paul?” e continuar transmitindo a novela das 9.

E assim a gente vai tendendo a bipolaridade nas nossas vidas também. Sem equilíbrio, porque a gente aprende que sentir é uma coisa intensa, avassaladora, mas modulada. E se a depressão foi o transtorno do século XX, o bipolar é o transtorno do século XXI. Porque a tristeza só não basta: temos que ser felizes também, poxa! Mas muuuuuito felizes. Felizes demais! Temos que explodir de felicidade. Pra daqui a pouco ficarmos extremamente tristes de novo.

E claro que isso tudo é apenas superficial. Essa tristeza ou essa felicidade não são reais: seus significados não são compartilhados pelas pessoas de maneira consistente. As pessoas apenas se sentem na obrigação de performarem, descomprometidamente, a felicidade para o vizinho, os amigos, os filhos, porque é Natal; ou então performam a penalização extrema pela desgraça que aconteceu do outro lado do mundo, tal qual o repórter da TV faz.

Perdemos o senso: nossa vida virou um programa que tem que ter audiência!! Temos que estar e provar que estamos muito tristes ou muito felizes. Não dá pra ficar no meio do caminho. Mais ou menos feliz é coisa de gente sistemática. E ficar mais ou menos penalizado? Coisa de gente sem coração!

Mas a vida... “a vida é real e de viés”. Não é 8 ou 80. Somos felizes e tristes ao mesmo tempo, porque tudo nessa vida tem um pouco de dor e um pouco de prazer. E “pra fazer um samba com beleza é preciso um bocado de tristeza”. Viver “não é contar piada”. Viver é movimentar o desejo, tão bem cantado pelo Caetano: “Onde queres o ato, eu sou o espírito, E onde queres ternura, eu sou tesão". A gente tem medo da morte, mas quer “morrer numa batucada de bamba”. A gente chora e sorri quando ouve “que a saudade é o viés de um parto; saudade é arrumar o quarto do filho que já morreu” porque isso é a extrema tristeza; mas é bonito demais também!

A poesia não precisa de demonstrações. A poesia fala alto no peito, e ninguém mais precisa ouvir. Isso é amadurecimento. Já a vontade incontrolável de que todos vejam o quanto eu me emocionei, é marketing; não é sentimento. A felicidade é discreta, delicada, efêmera. A tristeza também. “A felicidade é cheia de ah, é cheia de eh, é cheia de ih, é cheia de oh, cheia de sino e cheia de sono".

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Amor em verde

Vermelho é amor, perigo, pare, sangue, morte, raiva.

Engraçado né? Sempre falo de como as palavras constroem o mundo e o jeito que vivemos nele. E outro dia fiquei pensando nisso: nessa correlação entre amor, perigo e morte que nossa cultura promove.

Uma vez eu soube que na cromoterapia, o verde é a verdadeira cor do amor. Porque o vermelho é excitação, desejo, motivação. E o verde é segurança, esperança, calmaria, liberdade. O verde é a cor do siga em frente, é a cor do chakra do coração. O vermelho, a cor do chakra sexual.

Assim, tendemos a confundir o tesão, energia sexual, com amor. É claro que as duas coisas são muito ligadas. Mas amor não é só sexo como nos sugere a cor vermelha. E nem deve ser perigo: aquilo que causa dor, que é um risco. O sexo sim, é sempre um risco, uma brincadeira com a dor que gera prazer, um jogo com a falta que gera a completude do gozo. Mas o amor deveria ser calmaria, deveria ser porto seguro e deveria ser esperança. Esperança de qualquer coisa, que não fosse a urgência do vermelho.

Enquanto o vermelho urge, o amor espera. O verde amadurece. O vermelho, apodrece, tem vida curta. Porque tesão tem prazo de validade curtíssimo: existe para ser usado, gasto, escravo do gozo: uma vez gozado, desaparece. E precisa ser renovado, transformado de novo em algo que falta pra mobilizar novamente o sexo. O que já se tem, não excita. E o sexo precisa da falta.

Então é assim: amamos em vermelho. E somos raivosos, urgentes, nos prendemos ao outro com medo do perigo que é o próprio amor. Matamos, brigamos, rompemos amizade, porque o amor é vermelho. O crime passional é vermelho. E precisamos amar em verde. Compreender mais, se entregar mais ao que demora, esperar junto. A filosofia tântrica propõe, inclusive, um sexo verde: devagarinho, sem pressa, com entrega absoluta. O amor deve ser mantra no meio dessa barulheira que é nossa vida. E o mantra funciona justamente porque no mentalizar o que se quer, construímos o que queremos (as palavras constroem o mundo!).

Então é assim: amemos em verde. Mas até lá, "cuidado meu bem, há perigo na esquina".
E um deles é o amor.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Gosto é uma coisa... afeição é outra!

Explico. Muitas vezes me posiciono veementemente contra algumas questões estéticas ou políticas; para, logo depois, estar sentada numa mesa de bar com um representante legítimo do que acabei de criticar. Isso significa: eu me posiciono contra as coisas e não contra as pessoas.

Filosoficamente analisando, isso pode parecer ilógico, afinal são as pessoas que fazem as coisas e nesse sentido pessoa e coisa se confundiriam. Mas, analisando mais filosoficamente ainda, não está o ser humano, o tempo todo, tentando encontrar maneiras de organizar esse mundo louco que é a vida, a moral, a ética, a estética, os amores? Pois bem! E o meu jeito de organizar isso tudo é: as coisas são as coisas; as pessoas são as pessoas.

Outro dia, numa balada, começou a tocar Jorge Ben. Fiquei meio irritadinha com a escolha e falei pro Danislau: "coisa chata é música felizinha demais, né?!" No mesmo instante, vem a Moema, me abraça, cantando e me tirando pra dançar. Eu, começo a cantar e a dançar com ela. Danis foi implacável: "Falsa!!!"

Não, Dan-dan, não fui falsa. É que uma coisa é eu não gostar de Jorge Ben. Outra coisa, muito diferente, é eu deixar de dançar com uma pessoa de quem gosto.

Outro exemplo: destesto Teatro Mágico. Minha prima ama. E eis que em visita à minha querida Franquinha (Franca - SP) sou presenteada com um ingresso para o show: "olha que sorte!! tem show do Teatro Mágico bem no fim de semana q vc vem". O que acham que eu fiz? Dancei, bebi, curti e até arrisquei uns refrõezinhos de "arroz e feijão" em coro com ela, lá pelas tantas da noite!

Mesma coisa com o Zóy: as vezes ele entra numas bandas aí que não curto. E daí? Vou em todo show que ele convida porque meu amor pelo Zóy acima de tudo!

Por isso é assim: meu gosto estético e minhas preferências políticas são uma coisa. Meus amores, são outra. Quando tudo isso coincide, dá casamento. Quando não, mesmo assim podemos ter uma transa maravilhosa!

sábado, 9 de abril de 2011

Salomé

Não, eu não nasci assim. Assim eu fui me tornando no botar dos ovos.

É impressionante o poder da vida de nos transformar em algos que nem imaginamos... Nos relacionando com as pessoas ganhamos nomes, características e personalidades que nunca pensamos em ser.

O fato é que de repente pra mim não havia mais cuidado, não havia respeito, como algo temido e odiado, eu não mais me sentia uma pessoa. Como se minha existência agredisse as pessoas, sem perceber como e porque, eu fui sendo colocada num lugar estranho e solitário, onde eu pagava por erros que eu nunca soube quais eram.

Mas eu não me conformei com o desdém assim fácil. Eu insisti em pelo menos entender, se não o porquê, mas o quê eu era para as pessoas. E assim fiz uma promessa de que a cada xingamento, julgamento, fofoca, desrespeito e mal trato, eu me transformaria fisicamente, materializando as características implícitas nas falas das pessoas. Seria a materialização de uma ordem social. O nascimento de algo bizarro, que mostrasse pra todo mundo o poder de suas falas e julgamentos.

Foi assim que, paulatinamente, foram nascendo em mim penugens, depois penas. A pele dos meus pés foi se modificando, se tornando áspera e amarelada. Meu cabelo foi caindo, cedendo lugar para uma pequena crista vermelha, que foi crescendo e se avolumando. E minha boca foi, aos poucos, se transformando em um bico pontudo e duro.

Hoje sou uma galinha. Uma galinha digna e feliz. Com algumas dificuldades para me expressar, pois não é muito fácil escrever com as asas. Mas digna e feliz porque não aceitei ser transformada em algo de maneira silenciada. Se o efeito do social sobre nós é inevitável, o silêncio é opcional.

E foi assim que as pessoas passaram a conviver com titicas, cacarejos, ovos e bicadas, arcando com as conseqüências daquilo que produziram.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

MP3


_Vou começar, tá?

_ Não consigo te ouvir...

Não existe pecado do lado de baixo do equador
Vamos fazer um pecado rasgado, suado, a todo vapor...

Desde sempre foi assim: quando o Chico falava, ela não ouvia mais nada. Mas naquele dia, ela se sentiu obrigada a pelo menos informá-lo de que não ouvia. Porque ser a dona da música, num momento como aquele, era muito lisonjeiro.
O que será que se passava na cabeça dele, vendo ela ali, deitada, puro deleite, pura luxúria, recebendo massagem, carícias, player no ouvido, com as músicas que ele escolheu pra ela, praquele momento? 
Em que filme ela estava, ouvindo as músicas que ele escolheu pra ela? Por onde passavam suas mãos imóveis na cama, dentro daquele espaço, entre ela e a música? Por que as musicas não dizem para o outro o que a gente sente? Por que elas dizem?

Balangandans do pensamento...

O paraíso era no fundo daquela piscina que era a cama. E debaixo d´agua, em seu pensamento, ela podia não ouvir, mas de vez em quando soltava um ai.

domingo, 3 de abril de 2011

Porque mudar é revirar o passado...

"Eu hj joguei tanta coisa fora, eu vi o meu passado, passar por mim..." Já cantou Herbert Viana.

Se mudar é escolher o que é prioridade, selecionar o que será permanente e o que vai embora, o que é importante e o que é descartável. Quanto desse passado cabe na minha nova vida? No meu novo (e pequeno) guarda roupa?

É preciso pouca bagagem se se quer ir longe, já disse Adélia Prado.

Eu quero ir longe, ficando perto.

Ainda bem que o coração não tem metro quadrado.

segunda-feira, 28 de março de 2011

AS FOTOGRAFIAS ESTÃO MORTAS


Uma fotografia pode significar o marco de algo que foi.
Ou pode ser simplesmente: quando ela se torna algo além do conteúdo que representa.
Aí a fotografia rompe o link com a realidade a ser retratada e ao invés de reproduzir, ela cria o real.
O interessante é que quando o objeto fotografado é o amor, não é assim.
Nesse caso, o que se vê é o quê é; ou o quê foi; ou pior: a representação de tudo que poderia ter sido.
E quando a foto guarda um futuro que não existe mais, ela se torna triste.
As fotografias estão mortas.

sábado, 12 de março de 2011

Me dê motivo...



Todo mundo precisa de ter fé em alguma coisa.

Fé na vida, fé no trabalho, fé nas pessoas, fé nos filhos, fé no amor...

Porque isso é que dá sentido a vida.

O ruim é quanto a falta de fé ou a decepção com alguém ou algum aspecto estraga as fés depositadas em outros alguens ou aspectos.

Seria isso sinal do que é a coisa mais importante da vida da gente?

Poderia ser!

O complicado é que o mais importante da vida da gente muda a cada momento. Porque o mundo está cheio de conversas, pessoas e situações que podem nos trazer rumos novos.

Por isso o desejo, energia propulsora da vida, nunca é totalmente compreendido. É como a luz de estrela no céu: o brilho que vemos pode ser apenas rastro de algo que já sumiu ou já se transformou.

Mas a existência humana precisa de sentido. Então, não dá pra ficar buscando uma coisa diferente a cada momento e desistindo de outras tantas do dia pra noite. Precisamos de sentir que há uma continuidade, uma coerência na vida. Precisamos de razões para fazer as coisas porque as razões dão o sentido que precisamos para continuarmos vivos.

O ser humano está solto no mundo. Nada significa necessariamente alguma coisa. Tudo pode ser. O que temos é um combinado, acordo de cavalheiros (e isso é cultura!), de que nos relacionaremos de tal forma, trabalharemos daquele jeito, consumiremos e viveremos de tal maneira. O ser humano vive de acordos! 

Lealdade, honestidade, maternidade, qualidade, amor, respeito, etc... tudo isso são coisas que inventamos para vivermos juntos! E isso funciona na enorme maioria dos casos. Justamente por funcionar tanto é que quando não funciona, o caso chama atenção! A maioria das pessoas não se mata, não se xinga na rua, não rouba, cumpre suas obrigações no trabalho, enfim...

Isso acontece porque estamos todos no mesmo barco: o barco da incerteza e da efemeridade. Todos temos uma só vida e um monte de incertezas! E se um de nós descumpre um daqueles tratos, podemos estragar a vida de alguém, roubando dele o tempo investido naquilo que o decepcionou!!

E por que será que a decepção com alguma coisa as vezes consegue trazer a tona todos os problemas, melar tudo, transformar a vida numa chatice plena?

Porque quando alguém fura um combinado, ele promove um abalo sísmico nessa  rede de combinados: ele traz a tona o caráter de trato de cavalheiros que é essa nossa vida!! E aí nos lembramos de que tudo pode dar errado, tudo pode mudar ou acabar! As pessoas podem mentir, os patrões podem sacanear, os sinais de trânsito podem não funcionar...

E é preciso ser muito louco para retomar a fé na vida, mesmo sabendo que é tudo apenas um combinado, sem garantias. E é preciso ser muito bom de retórica para, em nossas conversas internas, mantermos um tom otimista, acolhedor, corajoso e determinado, para falarmos para nós mesmos que sabemos o que estamos fazendo e que tudo vai dar certo!

Por isso é que mantras funcionam: não é porque eles realmente trazem a pessoa amada em 5 dias, mas porque  no processo de mentalizar coisas boas e pronunciar frases otimistas, você muda o tom da sua conversa interna e o mundo vai ganhando cores novas, novos motivos. Mais esperança...

É... precisamos dessa loucura que é ter fé na vida!

sexta-feira, 11 de março de 2011

Atentem-se às palavras!



amor rima com calor não é à toa 


words - worlds


sentido é sentimento


a vida acontece em conversas


faladas
piscadas
transadas
escritas
e risadas


Atentem-se às palavras!